Como garantir a limpeza correta do imóvel em tempos de Covid-19?

Limpeza, higienização, desinfecção, sanitização ou esterilização. Qual processo de limpeza devemos utilizar em ambientes devido ao surgimento do novo corona vírus? Confira essas dicas preparadas pela ComFacil – Soluções em Facilities

Com a atual pandemia do COVID-19, algumas dúvidas surgem a respeito de como executar a higienização adequada nos ambientes de um apartamento, flat ou casa.

Tendo em vista a limpeza ser uma das principais responsáveis na contenção do vírus, esse material nos traz algumas orientações sobre a diferença entre os principais conceitos na atualidade e algumas dicas de procedimentos a serem seguidos.

Processo de Limpeza:

É a remoção da sujeira pesada de superfícies. Quando utilizado produto químico e ação mecânica no processo de limpeza convencional, estima-se uma redução de até 60% de microbiologia nas superfícies, porém somente a limpeza convencional não é capaz de eliminar vírus e bactérias.

Processo de Desinfecção:

O processo de desinfecção de um ambiente consiste na utilização e na aplicação de desinfetantes de uso geral, produto esse que elimina 99,99% dos germes, bactérias e vírus como o Sars-Cov-2 que causa o Covid-19. Recomenda-se a utilização de produtos deixando-o em contato com a superfície por cerca de 10 minutos para se ter a eficácia da desinfecção.

Processo de Higienização:

A higienização envolve os dois processos anteriores, uma limpeza seguida do processo de desinfecção. Quando realizamos uma desinfecção, entendemos que uma pessoa está executando uma limpeza, removendo sujidades do ambiente e posteriormente aplicará o produto para desinfecção da superfície.

Processo de Sanitização:

O processo de sanitização, é mais utilizado em indústria alimentícia, prevê o uso de sanitizantes que eliminam níveis de componentes microbiológicos específicos. Esse processo não se aplicaria ao dia a dia, pois obedece a regras diferentes da desinfecção com produtos mais agressivos.

Processo de Esterilização:

Esterilizar, significa eliminar totalmente os germes, inclusive seus esporos, por meio de processos físicos ou químicos bastante agressivos e restritos. A esterilização é utilizada em situações de máxima segurança, como em salas cirúrgicas de hospitais ou em locais de biossegurança, com a eliminação total dos microrganismos.

O processo mais indicado para combate ao COVID-19, é o processo de higienização, limpeza seguida de desinfecção.

Quais produtos químicos devem ser utilizados?

  • Limpeza: detergente neutro e multiuso
  • Desinfecção: desinfetantes à base de quaternário de amônia, Biguanida polimérica e peróxido de hidrogênio (o mais indicado contra o COVID-19), hipoclorito de sódio (1%) e álcool 70%

Curiosidade

Dados internacionais do CDC USA (Centro de Prevenção de Doenças dos EUA) expõem o tempo de permanência do vírus nas superfícies da seguinte forma:

  • Plástico – 3 dias
  • Papel, Vidro e Madeira – 4 dias
  • Papelão – 1 dia
  • Alumínio – 2 a 8 horas
  • Aço – 2 dias

 

Então qual o procedimento correto para higienização de um apartamento, um flat ou uma residência?

Primeiro devemos aumentar a frequência do processo de higienização de superfícies, com máxima atenção às áreas onde ocorrem maior contato das pessoas, tais como:

Maçanetas, corrimãos, barras de apoio, botões de elevadores, fechaduras, interruptores, aparelhos de telefone, teclados, mouses, mesas, cadeiras, mobílias em geral, controles remoto, bancadas e torneiras.

De modo geral, os processos devem seguir as etapas de acordo com as áreas a serem higienizadas:

  • Limpeza seca
  • Limpeza úmida
  • Limpeza molhada

Inicie a limpeza da área menos suja para a mais suja efetuando a varredura úmida com pano de microfibra utilizando os produtos químicos específicos e regulamentados pela ANVISA.  Inicie o processo de limpeza e desinfecção pelas paredes, vidros, superfícies, objetos, e por último, o piso. Utilize cabos telescópios, para se manter distância de áreas de manuseio e contornar mobiliários fixos.

É importante não utilizar o mesmo pano em ambientes diferentes evitando assim a contaminação cruzada e ao término da higienização de cada ambiente, nunca se esqueça de higienizar a maçaneta ao sair do cômodo.

Ao término do processo de higienização, desinfete todos os equipamentos utilizados no processo.

 

As novas tecnologias em mobilidade internacional e seu impacto no processo de relocation

Muito se fala sobre o uso das atuais tecnologias e novos modelos de serviço, como startups, e como eles podem ser úteis no processo de mobilidade internacional das empresas. De fato, essas novas tecnologias trouxeram agilidade em boa parte do mundo, substituindo inclusive fornecedores tradicionais. Trouxeram também uma ampliação da oferta em serviços e maior conformidade nos processos, dada a previsibilidade e segurança.

Mas até que ponto essas novas tecnologias podem ser aplicadas aqui no Brasil?

Analisemos ponto a ponto as principais tendências no segmento de Relocation.

 

Corporate Housing

Em muitos locais do mundo o mercado tradicional de apartamentos corporativos era, ou ainda é, dominado por empresas que administram várias propriedades em um único prédio com a finalidade exclusiva de locação temporária. Mas esse modelo começou a perder espaço para startups e apps como o Airbnb e o Urbandoor (recentemente comprada pela Airbnb). A grande vantagem desse novo modelo é que eles transcendem o conceito de apartamento temporário ao expandir para áreas que antes eram exclusivamente residenciais. Através de um programa com os locatários, os imóveis são adaptados para os viajantes corporativos de forma que unam requisitos práticos para o desempenho das atividades profissionais como internet wireless de boa qualidade, decoração clean maior conforto – essencial para aqueles profissionais que passam mais tempo na estrada e se cansaram da impessoalidade dos hotéis e apartamentos temporários convencionais. Outra grande vantagem é a ampliação do raio de localização do imóvel. Além dos bairros tradicionais, onde geralmente o metro quadrado é mais caro, eles  passaram a contemplar também áreas alternativas e até mesmo mais distantes do centro comercial. Sem dúvida um grande alento a empresas que buscavam mais opções e que também precisam baratear seus custos com viagens.

Outra grande vantagem dos Apps é a economia de tempo. Aquele processo demorado de contratação, análise de contrato, vistoria de entrada e de saída, depósito caução, sai de cena e no lugar temos um processo muito mais ágil, onde tudo é contratado pela internet e pago com o cartão de crédito.

Contudo, com o objetivo de atender o mercado corporativo de forma diferenciada, o Airbnb criou o Airbnb for Work, onde os melhores apartamentos dentro da plataforma do Airbnb, são selecionados para essa finalidade. Mas, ainda não existe uma oferta consistente no Rio de Janeiro e em São Paulo. Supõem-se que um dos motivos é o desafio do mercado imobiliário brasileiro em si. A questão da manutenção periódica e segurança ainda é um ponto negativo no Brasil. E isso é inegociável para as grandes empresas.

Todavia, sem duvida o Airbnb for Work é uma boa opção para viagens de negócios fora do país, especialmente no caso de empresas que não possuem um procedimento de segurança muito restrito. De forma simples, a empresa consegue controlar todas as reservas em tempo real. Além disso, os proprietários que fazem parte dessa plataforma passam por um crivo especial. Os apartamentos corporativos possuem amenidades diferenciadas que fazem toda a diferença.  Mas vocês podem questionar sobre a questão da manutenção e segurança do imóvel. Não existem riscos de problemas nessa área? Claro que sim.  Mas países como Estados Unidos e a maior parte dos países da Europa possuem uma pratica diferente no que tange a responsabilidade para manutenções prediais (já falamos disso aqui no artigo O que você precisa saber ao alugar um imóvel no Brasil). Nesses locais é de responsabilidade do proprietário garantir a segurança e manutenção, inclusive relativa a desgaste natural, sob pena de multas e sanções. Então para evitar riscos, recomenda-se ter esse olhar sobre como essa questão é tratada no país de destino. Em muitos casos, a comodidade e economia andam lado a lado com a segurança.

Uma outra empresa que movimenta o mercado de acomodação temporária é a empresa ReloQuest. Trata-se de uma plataforma que facilita o processo de contratação de acomodações temporárias corporativas e que compara os serviços a serem contratados, similar a um processo de licitação. A grande vantagem da ReloQuest é o fácil acesso a fornecedores tradicionais e profissionais verificados no mundo todo. Contudo, para acessar essa plataforma é necessário pagar uma assinatura mensal. E se o objetivo for obter apartamentos temporários no Brasil, esqueça.  Assim com as demais plataformas citadas nesse artigo, a ReloQuest também não trás nenhuma novidade em termos de opções ao mercado brasileiro

 

Busca de Residências

A busca de residências para expatriados no Brasil se resume ao mesmo processo burocrático. Consultas a sites específicos na internet (que são uma extensão das imobiliárias e que muitas vezes não estão com os anúncios atualizados) e consultas a imobiliárias que nem sempre respondem de imediato. Como resultado, demora-se em media de 2 a 3 dias para montar uma boa lista de imóveis para visita.

Para transformar esse mercado, surgiu a plataforma Quinto Andar. Atualizado com frequência, ele dispõe de fotos 360 graus, localiza o imóvel em um mapa e ainda acaba com a figura do fiador. Todos os serviços são agendados online e para tentar desburocratizar ainda mais o processo, utiliza-se um contrato padrão.

Apesar de ser um recurso valioso para pessoas físicas, ainda não é uma realidade para clientes corporativos. Tentar sair do modelo definido para incluir inspeções de segurança ou até mesmo a inclusão de clausulas no contrato padrão pode ser um processo frustrante e demorado. Mas dá para entender o motivo. A Quinto Andar foi desenhada para ser escalável, atingindo em massa milhares de pessoas físicas que precisam de um serviço imobiliário rápido e livre de complicações. Contudo, com a consolidação da empresa no mercado é esperado um novo olhar a outros perfis de clientes em potencial. Talvez boas novidades venham por aí.

 

Sistema de controle

Talvez os sistemas de gerenciamento de expatriação sejam as ferramentas mais acessíveis no Brasil. Elas economizam tempo e substituem todas as planilhas de controle utilizadas pelos gestores.

São raras as empresas que possuem o próprio sistema de gestão, recorrendo aos recursos oferecidos pelas empresas de Relocation. As funcionalidades são as mais diversas, passando por controle de custos, gestão do processo de vistos, mudança, dentre outras.

A Simple City também desenvolveu um sistema próprio, mas com foco na execução e eficiência do processo de relocation. O sistema possui a melhor plataforma existente no mercado e permite o acompanhamento das solicitações, execução e avaliação do serviço e do consultor em tempo real. Outra grande vantagem é o arquivo do histórico de cada serviço executado, especialmente útil quando o expatriado devolve o imóvel e alguns termos de negociação precisam ser relembrados.

Outra funcionalidade do sistema da Simple City é o controle automatizado de vencimento de contratos, contas e afins. Substituímos o controle manual pelo melhor que a tecnologia tem a oferecer, garantindo a segurança e confiabilidade no processo de gestão.

No perfil da Empresa, é possível gerir a informação de cada expatriado bem como ter fácil acesso a serviços executados e notas fiscais emitidas. O objetivo é simplificar o processo de gestão, deixando o processo de mobilidade internacional mais leve e fluido.

A grande vantagem de uso de sistema de empresas como o da Simple City é a atualização constante bem como upgrades de funcionalidades de forma ágil, acompanhando as necessidades e exigências do mercado.

Sendo assim, considerando os serviços inovadores na área de mobilidade internacional, pouco ainda pode ser explorado no Brasil. Por isso a questão do relacionamento com fornecedores e parceiros ainda é vital para que se tenha um serviço de excelência. O contato diário, o olhar diferenciado a cada desafio, buscando novas formas de solucionar problemas antigos é o que faz a diferença. E quanto aos serviços e tecnologias inovadores? Bem, estar em contato e alinhado com as novidades é essencial, até mesmo para ajuda-los a entender as particularidades de um mercado tão difícil quanto o brasileiro. E, no tempo certo, estar preparado para as novidades que certamente começarão a vigorar e que já estão mudando a forma de se fazer relocation.

O que você precisa saber para alugar um imóvel no Brasil?

Alugar imóvel não é igual em qualquer lugar do mundo. Inúmeros aplicativos facilitam o acesso aos imóveis e de certa forma conseguiram uniformizar algumas regras, assumindo alguns riscos, mas nem tudo é tão simples.

Existem duas formas de alugar imóveis no Brasil, a curto prazo (aluguel de temporada) ou de longo prazo (30 meses). Nesse artigo, trabalharemos apenas com as particularidades do aluguel de longo prazo.

Existem várias regras comumente praticadas pelo mercado e uma Lei (Lei do Inquilinato 8.245/91) que rege a regulamentação desse tipo de locação. Por isso é muito importante conhecer-las e ficar atento aos termos do contrato que podem ser negociados a seu favor.  Vamos discutir os principais pontos sobre essa modalidade de aluguel.

 

Posse do Imóvel

Tão logo o imóvel for escolhido é importante que você exija que a comprovação de propriedade através de documentação. Parece estranho, não? Mas infelizmente algumas pessoas podem alugar imóveis de terceiros sem a devida autorização e se você não tomar as devidas precauções, posteriormente a Justiça pode exigir que você pague novamente a quantia equivalente ao dono de fato. Então, para evitar surpresas desagradáveis, solicite uma cópia atualizada do RGI – Registro Geral de Imóveis. Se o nome do Proprietário estiver ali, pode confiar e seguir adiante. Ainda assim, em alguns casos o imóvel pode não estar em nome do dono de fato, no caso de herdeiros. Isso acontece devido ao alto custo da taxa de transferência de posse. Nesse caso, você pode precisar da ajuda de um especialista para analisar a situação e buscar uma alternativa. 

 

Fiador

 É quase certo que o proprietário irá exigir a garantia de um fiador (pessoa residente no Brasil com renda comprovada), para o caso de você não pagar o aluguel. Isso é uma prática recorrente, visto que por Lei o fiador assume automaticamente essa dívida, em caso de não pagamento, conferindo a segurança de recebimento da receita ao Proprietário.

Contudo, para os estrangeiros pode ser difícil cumprir com esse requisito. Algumas alternativas que podem ser aceitas por alguns proprietários, são:

  • Carta da Empresa – Informando que o inquilino é funcionário da empresa e que a mesma se responsabiliza por pagamentos em atraso.
  • Seguro Fiança – Nesse caso o inquilino contrata com uma Seguradora um seguro fiança que cobre em média 3 vezes o valor do aluguel.

Outra alternativa a é locação do imóvel através de aplicativos como o Quinto Andar. Eles não exigem a figura do fiador.  Contudo o inquilino tem que pagar uma taxa de administração. Mas o lado negativo do Quinto Andar é que eles ainda não oferecem atendimento em inglês e isso pode ser um desafio para um estrangeiro, seja para entrar em contato, seja para entender as regras e o contrato.

 

Contas em dia

Solicite comprovante de que todas as contas estão em dia. São elas:

  • Condomínio (despesas relativas ao uso de áreas em comum em prédios e grupo de casas)
  • IPTU (Imposto Territorial Urbano)
  • Taxa de incêndio (paga anualmente ao Corpo de Bombeiros)
  • Luz, Gás, água

Isso evitará surpresas como corte de serviços ou até mesmo ações de despejo promovidas pelo não pagamento de uma dessas contas. É importante garantir que você não assumirá as consequências da inadimplência de um terceiro.

Tão logo a locação do imóvel tenha início, o inquilino será o responsável pelo pagamento dessas contas, na frequência a seguir:

Aluguel – pagamento mensal

Condomínio- pagamento mensal

IPTU – pagamento em conta única ou em 10 parcelas

Taxa de incêndio – pagamento anual

Luz, Gás, Água, Internet, TV, telefone – pagamento mensal

Seguro de Incêndio – Anual. Por lei a obrigação é do proprietário, mas ele pode repassar esse custo ao inquilino.

Cada uma dessas contas vem separadamente, o que pode parecer uma loucura para quem estava acostumado a pagar tudo em praticamente uma conta só. Por isso uma boa dose de organização é fundamental.

 

Prazo do Contrato

O prazo do contrato de locação de longo prazo é de 30 meses. Caso o inquilino encerre o contrato antes do prazo previsto, pode ser penalizado com o pagamento de multa.

Para evitar essa situação você pode:

– Negociar com o Proprietário um tempo inferior de contrato, caso tenha a certeza de que ficará no imóvel por menos tempo.

– Negociar a ausência de multas em caso de término antecipado, desde que você notifique com antecedência mínima de 60 dias, por exemplo.

Existe apenas um caso onde o inquilino está isento do pagamento de multa por término antecipado: em caso de transferência de cidade por motivos de trabalho. Nesse caso, basta apresentar uma notificação ao proprietário com 30 dias de antecedência, pelo menos, e cumprir com as obrigações de devolução do imóvel que abordaremos a seguir.

 

Manutenção residencial

Pela Lei do inquilinato a responsabilidade de manutenção do imóvel é do inquilino. Isso pode soar estranho caso você venha dos Estados Unidos, por exemplo, onde o proprietário é o responsável por quase todo tipo de reparo. Por isso é muito importante que o inquilino mantenha a manutenção em dia (portas, janelas, aparelhos de ar condicionado, piscina, etc). Caso contrário, quando da devolução do imóvel ele será obrigado a arcar com todas essas despesas de uma só vez, o que pode sair bem caro.

E aí vai uma dica: Considerando a responsabilidade do inquilino pela manutenção do imóvel é importante evitar a escolha de propriedades de difícil manutenção.  Por exemplo, uma parede de mármore branco em uma cobertura pode ser bem bonito. Mas se você considerar que o mármore escurece e que para manter aquela cor é necessário o polimento e aplicação de produtos especiais de tempos em tempos, talvez você reconsidere essa opção.

Outra dica importante é certificar-se de que o imóvel em si não tem nenhum problema de manutenção oculto.Já falamos um pouco sobre isso no artigo “Reduzindo o custo de manutenção residencial de expatriados”. Vale a pena dar uma lida no artigo e conferir as ações propostas.

 

Demais responsabilidades do Inquilino

Além do pagamento das contas em dia, manutenção do imóvel, o inquilino precisa se ater a outras obrigações previstas em Lei:

– Usar a propriedade de acordo com o combinado

– Devolver a propriedade no mesmo estado em que recebido, exceto desgaste natural.

– Pagar todas as contas devidas até o dia da devolução do imóvel

– Informar imediatamente ao proprietário sobre qualquer problema no imóvel

– Não modificar a parte interna ou externa da propriedade sem autorização por escrito do proprietário

– Respeitar as regras do Condomínio

 

Mas se o inquilino é responsável pela manutenção, qual é a responsabilidade do proprietário?

Aos olhos da Lei, o proprietário é responsável por:

  • Entregar o imóvel em condições plena de uso e em bom estado de conservação.
  • Realizar as manutenções estruturais do imóvelcomo problemas elétricos e hidráulicos, desde que os mesmos não tenham sido causados pelo inquilino ou seus visitantes.
  • Resolver problemas/defeitos do imóvel anteriores ao contrato de locação.

Contudo nesse último item temos uma situação nebulosa. Sem uma inspeção eficiente antes da entrada do imóvel dificilmente o inquilino poderá comprovar que alguns problemas de manutenção são decorrentes do contrato de locação anterior. Por isso, para evitar problemas, o ideal é contratar um profissional de segurança que possa atestar o estado do imóvel. Especialmente se o mesmo for antigo.

Adicionalmente, algumas cobranças de taxas extras de condomínio, por exemplo, pode ser de responsabilidade do proprietário. Mas nesse caso não dá para generalizar, tem que analisar o tipo de cobrança feita.

São muitas particularidades que tornam o processo um pouco complexo para quem entra em contato com esse universo pela primeira vez. Contudo, empresas de relocation, como a Simple City, oferecem  suporte para esse tipo de serviço, tornando o tudo muito mais fácil.

 

A difícil arte de escolher um Fornecedor

 

Contratar um fornecedor pode parecer simples. Mas não é bem assim. Às vezes, com maior frequência do que desejamos, independente do Fornecedor utilizado os problemas se repetem. “A culpa é do mercado”, “Todas as empresas são iguais”, são as justificativas que geralmente ouvimos. Mas será que é isso mesmo? Será que não existe nada que possa mudar essa realidade?

De tempos em tempos é normal que as empresas repensem suas ações e olhem para dentro, para seus recursos internos. Alguns acham tratar-se apenas de uma forma de economizar em tempos de crise. Mas esse é um dos movimentos mais importantes de estratégia que se bem conduzidos, pode trazer soluções a grandes desafios da organização.

Não é novidade que os expatriados são um recurso caro e que nem sempre se obtém o retorno do investimento esperado. Às vezes no meio do assigment a família não se adapta ao país ou o expatriado recebe uma oferta de trabalho e todo o recurso, humano e material, usado para aquele fim some no ar.

Acontece que manter um recurso como esse dá trabalho. E custa dinheiro. Cursos de ambientação cultural, suporte para instalação em casa, apoio para manutenção residencial. É difícil manter todo esse arsenal ou até mesmo justificá-lo quando uma empresa passa por um período de contenção de despesas e ainda precisa justificar ou administrar as frustrações de funcionários locais que naturalmente fazem comparações.

Olhando por esse ângulo, parece que temos uma equação sem solução. Mas quando olhamos o contexto de forma estratégica e o papel que cada pessoa tem na organização, o horizonte se expande.

Desde os tempos mais remotos os homens buscam soluções para resolver problemas, elaborando planos e estratégias que auxiliem no processo. Atualmente essas estratégias estão mais estruturadas e referendadas por grandes acadêmicos e são utilizadas com frequência por grandes empresas. Uma dessas é a Research Based View (RBV), criada originalmente em 1959 por Edith Penrose mas que foi incrementada por outros acadêmicos ao longo das décadas.

Essa Escola Estratégica aborda o papel dos recursos internos, em especial as pessoas como fonte de recursos, que são essenciais para a existência e perenidade da organização em um ambiente altamente competitivo e que está em constante mudança. Ela obriga os gestores a olharem para dentro da organização e a pensar sobre como potencializar ao máximo um recurso, uma vez que o capital humano é estratégico para a organização.  Quanto mais você consegue adequá-las ao processo, dar orientação, direção a um resultado, mais sua empresa se torna um diferencial competitivo.

Se você conseguir potencializar o que é valoroso, raro e o que não imutável, maiores as chances de sucesso por meio de uma vantagem competitiva sustentável.

No caso do expatriado que possui uma expertise única, o que justifica todo o investimento da empresa ao levá-lo a um novo país? Como podemos potencializar esse recurso?  Como podemos deixá-lo mais produtivo?  Que problemas roubam o seu tempo e que o impede de se concentrar no trabalho? O que o frustra?

Quanto mais focado eles estiverem no negócio, mais valor e mais diferencial competitivo eles trarão para organização.

A pesquisa Mobility Brasil 2019 conduzida pela empresa Global Line em parceria com a Worldwide ERC, trás algumas fontes de insatisfação de um expatriado. Algumas são questões internas, que compete a própria empresa  a busca de soluções, como qualidade de informação oferecida na proposta, oportunidade de carreira após transferência. Mas outras dizem respeito a questões que fogem da atividade primária da empresa e que muitas vezes são terceirizados ou sequer são atendidas, como a falta de flexibilidade para atender a necessidades específicas e individuais (30%), qualidade de prestadores de serviço contratados (24%) e apoio fornecido a família (16%)

Bem, mas você pode dizer que para atender essas questões, as expectativas dos expatriados, basta ter recursos generosos para fornecer cursos de ambientação cultural constante ou recursos para suporte diário, o que é totalmente inviável com a realidade atual e o cenário econômico que vivemos.  Só que não.

Da mesma forma que a organização olha para dentro de si mesma em busca de soluções, é possível fazer o mesmo exercício com os recursos necessários para manter a motivação e produtividade de expatriados.

Você já pensou no que pode ser feito de diferente nos serviços de suporte contratados para esse fim? No que os fornecedores podem fazer de diferente para atender a uma necessidade específica que você tenha? Que tal olhar para dentro e ver o que precisa ser feito, em termos de serviço para atender a esse público específico?

E não falo aqui do serviço em si, mas sobre “Como” ele poderia ser feito. Esqueça por um momento que talvez isso não exista no mercado ou que pode ser caro. Faça apenas esse exercício.

Feito isso lembre-se, as empresas foram criadas para atender as necessidades do mercado. Isso é um fato. Então como podemos fazer para que essas necessidades sejam colocadas em prática? Considerando as insatisfações existentes, o que o seu fornecedor pode propor de diferente para atender as demandas específicas de uma forma mais efetiva? Que tipo de produto poderia ser criado para esse fim? O que você pode exigir no seu modelo de funcionamento para que o processo melhore? Pode sugerir nova estrutura? Novo perfil de colaboradores? E o melhor, o que ele pode fazer de diferente?

O ciclo de vida das empresas não é mais o mesmo. Antes era comum ver empresas centenárias, com décadas de vida com uma presença constante e marcante no mercado. Hoje temos fusões, compras, onde adquirir o concorrente é a forma mais fácil de “assimilar” habilidades ou até mesmo tirá-lo do campo. Na área de serviços em relocation isso também ocorre. Só que inovar vai muito além da tecnologia e habilidades. Está também ligado ao fazer diferente, sem repetir modelos, conhecendo seu negócio a fundo. Pensar novas formas sobre como a entrega do seu Fornecedor pode ser feita é inovar. Você sai do comum e encontra algo que finalmente cabe no seu processo.

Sendo assim, o poder está com você. O que você quer fazer? O que você quer mudar? Como você deseja contratar? Essa mudança de perspectiva faz toda a diferença.

Reduzindo o custo de manutenção residencial de expatriados

Não tem nada mais frustrante do que lidar com problemas de manutenção recorrente em casa de expatriados, não é mesmo? Por mais simples que o problema seja, eles demandam muito tempo e coordenação até mesmo porque qualquer erro afeta a segurança da família ali instalada.

 

Imagino que já deve ter passado pela sua cabeça algumas formas de minimizar esses problemas, afinal de contas, recorrências excessivas impactam na produtividade do expatriado no trabalho e até mesmo na sua, que não consegue se dedicar a outras atividades mais estratégicas.

 

Realizar vistorias preventivas periódicas nas residências e conversar com os expatriados sobre as responsabilidades quanto a manutenção residencial são as estratégias mais comuns, e até mesmo recomendadas, mas elas não são eficientes sem o levantamento da situação real do imóvel antes assinatura do contrato de aluguel.

 

A melhor alternativa é identificar os potenciais problemas de manutenção que um imóvel pode apresentar antes de se comprometer com a locação.

 

Não se trata de uma vistoria de entrada onde se pontua o estado do imóvel. É muito mais do que isso. Trata-se de uma inspeção técnica, com profissional qualificado, que irá levantar todas as irregularidades e vícios de manutenção que em um primeiro não estão aparentes a olho nú. Dessa forma ele consegue assegurar a segurança e adequação do espaço para a nova família elencando as ações que precisam ser conduzidas pelo proprietário antes da mudança.

 

Bom, mas você deve estar pensando que isso pode deixar o processo mais lento, correto? Isso é de fato uma possibilidade. Mas as realizações dessas inspeções reduzem consideravelmente os problemas a médio/longo prazo, o custo de manutenção e facilitam a devolução da residência ao término do contrato. Sendo assim, considerando todo o processo envolvendo o imóvel (contratação, manutenção e devolução), essa ação realmente faz a diferença.

 

É sempre possível inovar e buscar novas soluções para aqueles antigos dilemas e deixar o seu dia mais simples. Por isso a Simple City está sempre em busca dos melhores processos.

 

Como podemos ajudá-lo?